Um dos aspectos incontornáveis de qualquer período de férias é a alimentação, também ele um dos gastos mais dispendiosos mesmo quando se opta pela vertente low cost. No entanto, independentemente do local escolhido para descansar existem sempre variadas alternativas de amealhar algum dinheiro para diminuir o custo da viagem, algo que hoje em dia não se deve menosprezar, pois embora o tempo de lazer seja necessário há que ter moderação para evitar desequilibrar o nosso orçamento.

A pensar naqueles que preferem opções acessíveis mas não abdicam do factor qualidade damos cinco exemplos de como poupar na alimentação durante as férias. Essas dicas não são, porém, aleatórias, já que se constituem como práticas que visam economizar nas refeições tirando partido do que de melhor os destinos seleccionados têm para oferecer aos seus visitantes, o património gastronómico.

Opte pela cozinha local e usufrua da alimentação tradicional nativa. Além de se ficar a conhecer a cultura gastronómica da zona será bastante provável que experimente bons pratos que de outra maneira dificilmente teria ocasião de provar. É certo que existe o risco de encontrar especialidades que não fazem o seu paladar sorrir de tão contente que fica mas também não perde nada ao “arriscar”, bem pelo contrário;

Prefira os estabelecimentos apreciados pela população que vive no destino de férias e verá que as surpresas acontecem. Para que tal seja possível aborde os habitantes locais e pergunte que restaurantes ou bares são os favoritos nas redondezas. Descubra em que espaços se come melhor questionando os clientes que regularmente os frequentam e evite aqueles a que os turistas vão por norma. É ponto assente que fará uma refeição (bem) mais barata, dado que lhe custará o preço normal e não o “valor turístico” acima da média que é pago pelos forasteiros na maioria dos casos;

Faça compras num hiper ou supermercado da zona valorizando alimentos regionais e outros ingredientes característicos do local onde se encontra a descansar. Apesar de as duas hipóteses anteriores serem mais apetecíveis não está totalmente fora de questão andar de cesto em punho nas mercearias que enchem as prateleiras das despensas dos residentes que vivem nas suas imediações;

Descubra que estabelecimentos oferecem os melhores preços através de perguntas à população ou de uma sempre útil pesquisa na internet. Tenha em conta os seus gostos mas não se esqueça de incluir uma pitada dos costumes locais para experimentar os sabores tradicionais da gastronomia da zona. Se conseguir que alguém lhe indique o caminho nesse sentido, nomeadamente quem o atender, não hesite e aproveite. Depois é “só” aventurar-se na cozinha com a ajuda da internet ou de um bom livro de culinária;

Poupe numas refeições e gaste um pouco mais nas idas aos restaurantes. Assim irá conseguir manter o seu orçamento equilibrado ao mesmo tempo que experimenta por si o que mais puxou pelo seu apetite. Desta forma pode ter um dia mais preenchido e não ter de se preocupar com as refeições, estando à vontade quanto aos gastos, pois nos dias em que houver menos azáfama pode economizar na alimentação seguindo os conselhos anteriores, deixando folga na sua carteira para os dias mais atarefados ou cansativos.

Como vê não é nada difícil gozar de boas refeições enquanto se degusta a gastronomia dos locais escolhidos para o seu retiro de descanso. Tudo depende da forma como gere o dinheiro no decorrer desse tempo, já que como sublinhado ao longo dos conselhos supra-referidos, existem imensas formas de poupar na alimentação durante as férias.

Booking.com