Uma das questões mais pertinentes que surge quando se escolhem férias baratas é sem dúvida “que itinerário seguir”. Isto porque é natural que optando pela vertente low cost raramente exista assistência extensível a esse ponto. Contudo, tal não é um obstáculo, bem pelo contrário, é uma oportunidade de ficar a conhecer ainda melhor os locais visitados e usufruir ao máximo do merecido descanso.

Mas como nem sempre é fácil conseguir realizar esta tarefa à primeira tentativa, damos-lhe uma pequena ajuda para que o faça da melhor forma e ganhe o gosto pela actividade para que no futuro continue a escolher por si o que visitar. Esses conselhos não passam de sugestões, é certo, embora lhe indiquem o caminho certo para que não desperdice a oportunidade de efectivamente desfrutar das férias como as idealizou.

  • Organize os roteiros de acordo com o tempo que tem para as férias enveredando pelas alternativas que encaixem geograficamente, ou seja, seleccionado destinos localizados num espaço que seja fácil de percorrer. Para isso será necessário avaliar os meios de transporte existentes e os pontos de interesse em cada paragem, uma vez que são estes dois aspectos que restringem qualquer itinerário turístico, além do orçamento, claro;
  • Aproveite o tempo livre que tem depois do trabalho e fique a conhecer melhor os locais que pretende visitar nas suas férias. Basta uns minutos e uma pesquisa pela internet para descobrir sugestões interessantes e quem sabe até um roteiro completo que lhe agrade. O segredo para o sucesso nesta tarefa está na dedicação e determinação com que se enfrenta o desafio. Entusiasme-se e deixe-se contagiar por esta actividade. Além de desanuviar a sua cabeça dos problemas do quotidiano ficará ainda mais excitado com as próprias férias… o que as tornará em algo memorável;
  • Identifique os locais sugeridos em roteiros turísticos e assinale os que lhe interessam. Faça-o não apenas online mas também nos panfletos de agências de viagens. Depois de reunidos alguns pontos que lhe despertem a curiosidade veja qual é a melhor forma de os incluir num percurso lógico e não tenha problemas em eliminar aqueles que não se encaixem, dado que o objectivo é conseguir desenvolver um roteiro que funcione como um todo, o que naturalmente implicará abdicar de alguns atractivos;
  • Crie um roteiro temático. Este género de guias de visita é bastante útil quando se quer dar atenção a um assunto em concreto mas não é o mais adequado para todas as pessoas, já que nem sempre existe essa aspiração. No entanto, se adora desporto, arquitectura, cultura ou qualquer outra rubrica tem neste género de roteiros uma alternativa bem agradável que acabará igualmente por lhe facilitar a tarefa, pois não faltam na internet itinerários desta natureza já prontinhos a imprimir.

Seja qual for a sua inclinação, temática ou não, o importante é que organize um roteiro com sentido de lógica e sucessão geográfica, isto é, que não seja de tal maneira aleatório que obrigue a deslocações enormes sem incluir pontos de interesse pelo meio ou que os integre mas sejam tão escassos que não compensem o tempo de deslocação. A chave para desenvolver um bom itinerário turístico está em conjugar da melhor forma o que se deseja visitar e fazer com as viagens que serão necessárias para que isso aconteça, não esquecendo um outro aspecto fundamental, o limite orçamental.

Booking.com