É um destino essencialmente escolhido pelos recém-casados e pessoas com o gosto por locais paradisíacos, mas a verdade é que os agora atractivos preços que têm vindo a ser praticados pelas agências de viagens nos últimos meses tornam as visitas turísticas às Maldivas cada vez mais acessíveis à “magra” carteira dos portugueses.

Constituído por mais de um milhar de ilhas (1196), o vasto arquipélago das Maldivas tem aproximadamente 820 quilómetros de extensão com menos de 280 mil habitantes. Grande parte desta população depende do sector do turismo, directa ou indirectamente, o que levou a adoptar um estilo de recepção bastante acolhedor para quem vem de fora, numa clara intenção de atrair investimento de forma regular.

Talvez por esse motivo seja um destino de eleição para muitos e descoberto todos os anos por outros tantos estrangeiros, fascinados também pelo clima e ambiente de cariz quase edílico e sem dúvida irresistível. Em conjunto estas aliciantes características são a razão de ser maior das elevadas taxas de venda das passagens para este país tipicamente incluído nos roteiros de férias (baratas ou não) dos casais apaixonados.

Imperdível nas Maldivas…

Local paradisíaco por excelência, este arquipélago asiático tem pouco para ver mas muito para desfrutar, sendo um sonho tornado realidade para quem gosta de espaços amplos com mar aberto e de águas naturalmente temperadas. É precisamente esta a imagem predominante nos cartões turísticos e aquela que melhor jus fará ao que se pode encontrar neste exíguo país “virado para o mundo”.

Para lá da imensidão azul de escassa profundidade, os magníficos corais recheados de vida e as praias de uma suave areia branca, existem ainda alguns pontos de interesse nas ilhas, nomeadamente aos serões, durante os quais poderá usufruir da constante e única animação nocturna, com alternativas para todos os gostos. Já ao longo do dia tem ocasião de ficar a conhecer melhor o quotidiano dos habitantes nativos, passear nos espaços comerciais e adquirir algumas lembranças para recordar a viagem, podendo entretanto experimentar mergulhos com o acompanhamento de profissionais, pesca de recreio e diversas outras actividades marítimas para descontrair após um ano de intenso trabalho e regressar com as “baterias” recarregadas para mais 12 meses.

Onde ficar nas Maldivas?

Regra geral a estadia já está englobada no bilhete, embora haja também casos em que tal não acontece. Contudo, mesmo na eventualidade de este último ser o seu caso, pode sempre fazer umas pesquisas pela internet para encontrar as propostas à medida da sua carteira ou daquilo que espera.

Ao optar pela selecção individual terá certamente mais trabalho mas por vezes acaba por compensar, sobretudo quando se conjuga essa alternativa com um voo low cost. É claro que terá de passar algum tempo a reunir tudo para que não falhe nenhum detalhe, o que não será nada mau, bem pelo contrário. Desta forma conseguirá escolher apenas o que gosta de fazer com a devida antecedência e não haverá dificuldades em descobrir as regulares promoções que as empresas das Maldivas vão lançando ao longo de todo o ano para o turista que se aventure sozinho, ou seja, que não venha com os “tudo incluído” das agências de viagens.

Seja qual for o seu desejo, os inúmeros resorts são a melhor escolha e, aliás, raros são os casos em que há outras residências para alugar em férias. Além disso, são os locais com as melhores condições de alojamento e o atendimento (mais) personalizado, o que as torna nas oportunidades ideais para quem pretende mesmo aproveitar o descanso.

Booking.com